ENTREVISTA: Bando, o coletivo artistico-teatral mais mirabolante que eu já vi!


Oi Gente! Vamos falar de teatro hoje? Por que não? :) Eu lembro das vezes em que eu fiz teatro, em diferentes escolas que estudei (já expliquei aqui nesse post, que eu cresci mudando de estados cidades e etc) era tudo tão divertido. O lugar, a professora, os coleguinhas do teatro. Era como se ali fosse um lugar mágico onde eu podia me soltar e ser feliz. E acredito que era assim pra quase todo mundo que faz teatro, em várias outras escolas. Já o Bando, bom, o Bando é um grupo de teatro que foi além disso. 

É um grupo sem patrocínio público ou privado também. A idealização dos projetos é uma aposta do diretor, que reinveste nos espetáculos aprimorando figurinos e cenários.

Eles fazem peças infantis, eu pessoalmente já tive a oportunidade de vê-las, e as crianças (e nós adultos também) vamos a loucura. E tem mais, além disso, eles criaram o "Projeto Incômodo", que são algumas performances nas ruas da cidade onde eles moram, e esses pequenos atos, mudaram o dia de muitas pessoas que passaram por eles. Confira a entrevista com essa galerinha e descubra como! 

Segue abaixo a entrevista! (Como sempre, minhas perguntas em negrito mais meus comentários em itálico! hehe!)

- Cláudio, membro do Bando, apresente sua matilha pra gente!

O Bando é um coletivo artístico, produtor de teatro e agora (em primeira mão) de música também. Atualmente é formado por mim (Cláudio Mendes, diretor/ator) Breno Menenguci (ator), Nicole Gomes (atriz), Clarissa Anastácio (atriz), Samira Mesquita(atriz) Tacynaria Garcia(atriz), e Darlan Costa (criação de projetos). Além de nossos parceiros Virgínia Ribeiro (maquiadora), Pedro Paulo (sonoplasta). 

- Embora eu já os conheça e já tenha até feito algumas participações especais, vamos explicar agora pra todo mundo que lê o blog: o que é o Projeto incômodo? Como Surgiu? Quais são eles?

O projeto Incômodo surgiu da junção de umas performances minhas com as criadas pelo Darlan. Ele então criou e justificou o projeto, linkando essas nossas 7 performances: 

Guerra poluidora - Um terço da cidade de Volta Redonda é ocupado pela CSN, uma das maiores siderúrgicas da América. Silenciosamente nosso ar fica mais pesado, os pulmões carregados e é preciso questionar. 





A Meretriz - Performance que levou às ruas a discussão sobre a mulher e a autonomia sobre seu próprio corpo através da figura polêmica de uma meretriz.




Hierarquia da Etiqueta - O Bando levou para as ruas a questão de como o modo de se vestir interfere na relação que os outros estabelecem com a gente, apostando em dois extremos, o da figura de morador de rua e do playboy/patricinha.

Geração Tarja Preta - O Brasil é um dos maiores consumidores do mundo de Rivotril. As crianças estão dopadas de Ritalina. Tem mais de uma Drogaria em cada esquina. Quem se importa? Quem de incomoda?


Eu e Clément também pintamos a cara e participamos da perfomance, na fotos: Darlan, eu e Cláudio estamos lendo poesia para pessoas que passam na rua, como forma de remédio para depressão ao invés de comprimidos.



*Comum Inusitado, *Carniceria e *Concreto. (Estas três últimas ainda não foram apresentadas) Ok, espero fazer um post novinho em folha assim que essas 3 ultimas performances sairem!

- Já tiveram algum tipo de problema nas performances? Por que, afinal, dar a cara a tapa assim na rua com gestos de impacto podem causar consequências nas muitas vezes não positivas! E isso é bom. Mas ja teve alguém que se sentiu incomodado com o projeto Incomodo? (esse nome é ótimo!)

Não tivemos grandes problemas a não ser causar incômodo nas pessoas, o que é nosso objetivo dentro do projeto, então sempre dizemos que nossa missão é cumprida (risos). Há também reações positivas, de pessoas geralmente mais sabidas de artes em geral, elas sabem que aquilo ali é um teatro, apesar do mais real possível, foi planejado. Outras simplesmente ignoram e fingem não ver aquela cena na rua. É um trabalho interessante ver cada reação de cada transeunte(Transeunte, pra quem não sabe quer dizer: transitivo).


Cláudio e Samira sem dificuldade alguma de causar incômodo:



- Fora o projeto incomodo com as performances de impacto nas ruas, onde mais vocês se apresentam?

 Nos apresentamos nas ruas, e escolas e também em teatros; seja arena, auditório ou palco italiano.(Palco italiano é aquele palco clássico, geralmente retangular, onde a plateia assiste o espetáculo de frente, com cortinas e etc.)  Já rodamos diversas cidades do estado do Rio: Barra Mansa, Teresópolis, Três Rios, Levy Gasparian, Campos, Niterói, a capital Rio e é claro nossa amada cidade, Volta Redonda(Olha aí o bando mundão afora!)

- Como funciona isso tudo? Como cada um ajuda? A produção, As ideias...? O bando é um teatro diferente de todos que já vi. Por que?

Geralmente, as idéias, o tema central e o projeto em si partem da minha cabeça maluca (risos). Tenho parcerias com o Darlan (também e ótimo pra criar conceitos) e Breno, que desenvolve temas das peças para que eu possa verificar a viabilidade delas, e os outros integrantes do Bando tomam de suas áreas como atuação/maquiagem/produção.


- O bando também é um grupo formado por amigos muito proximos, quando você trabalha com seus melhores amigos sempre tem algo de especial nisso. A amiga que é maquiadora ajuda nas maquiagens, as que são fotografas aparecem para contribuir, e tem mais os amigos que entram totalmente de cabeça no projeto! Tem mais alguma dica que você dá para outros grupos de teatro? 

Sim, trabalhar com os amigos e pessoas próximas ajuda na relação profissional. As coisas ficam mais leves, mais entrosadas e o trabalho flui mais rápido. Como temos muita intimidade, ninguém leva as broncas e desentendimentos pro lado pessoal, apesar de ser é tudo a flor da pele quando se trabalha com artistas. Não sou tão bom em dar dicas, mas se você gosta de teatro, tem que viver o teatro. Assistir todas as peças que puder, fazer todos os workshops e cursos que conseguir... Não pode ficar preguiçoso, teatro não é só na hora que pisa no palco, é ensaio, estudo, suor, trabalho duro... 



- Algo que você indica pra galera que está começando?

Assistam todas as peças que puderem! Vejam os DVD´s dos espetáculos do Grupo Galpão (o melhor grupo teatral do país), pesquisem sobre o trabalho do Odin Teatret (Cia. internacionalmente reconhecida), também da artista e performer Marina Abramovic, da Realizadora Miúda (núcleo de pesquisa teatral do Rio)... Essas são algumas referências minhas e do Bando. Também tentem fazer parte e/ou criem algum grupo, coletivo e comecem a desenvolver idéias!



- Em pouquíssimo tempo o bando já faz o maior sucesso na cidade onde vocês moram (Vota Redonda) e também nas cidades vizinhas todas. Alguma dica pra esse sucesso todo?

É muito trabalho! Eu não descanso, o Bando não para. Vivo pensando em teatro, em algum projeto, alguma ideia...Tenho até que pegar um pouco mais leve com relação a trabalho, mais isso tudo é viciante e muito compensador. Gosto de produzir, de criar, de fazer! Tento ser o mais original possível dentro de cada proposta. Não queremos fazer o que já fizeram, queremos fazer de um jeito diferente e se possível inovar! Obrigado por todo carinho que sempre teve com o Bando e saiba que aqui no Brasil tem um pedacinho seu. Beijos! (Enquanto isso, cai uma lagrima aqui do cantinho do meu olho, acho que é alergia, peraí que eu já volto gente.)

É isso galera, essa foi a entrevista com o bando, um grupo de teatro formado por pessoas maravilhosas. Caso queiram sabei mais sobre essas pessoas, curtam a fan page do Bando: https://www.facebook.com/TeatroBando Ah! Eles também tem um site: http://coletivobando.wix.com/bando . Enquanto a mim, eu espero falar mais deles aqui no blog mais pra frente! Um beijo!


2 comentários:

  1. Muito legal esse grupo . Merece muita divugacao.
    Entrevista ficou 10!!!!

    ResponderExcluir